domingo, 28 de fevereiro de 2021

Peer Review (May 2020 to February 2021) The Polish rise, the French stagnation and the unchallenged Portuguese leadership

  https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/05/covid-19-has-changed-peer-review.html

Still following the post above check below how the ratio revisions per population evolved between May 2020 to February 2021. Only six countries have now a ratio below 1000 reviews ! Poland shows the highest growth while Bulgaria, France and Latvia remain the three bottom champions. But while Bulgaria and Latvia showed a substantial increase which means they want to climb the ladder France on the other hand does not. Does this country have a difficult relationship with paper revisions ?

European Country........Ratio (Revised papers in the last 12 months /million population)
1-Portugal...........................3500 (May 2020).........4206 (Feb 2021)
2-Spain…………………..….1631............................2090 
3-Cyprus.............................1497............................2055  
4-Italy..................................1580.............................2014
5-Denmark..........................1752............................1989
6-Sweden............................1430............................1749
7-Malta................................1435............................1527
8-Croatia.............................1196............................1652
9-Norway……………...…....1337............................1637
10-Finland...........................1404............................1627
11-Switzerland....................1400.............................1615
12-Czech Rep.....................1137.............................1476
13-Estonia...........................1044.............................1346
14-Romania..........................913..............................1324
15-UK..................................1107.............................1322
16-Luxembourg...................1073.............................1293
17-Poland………………….…703.............................1291 (+84%)
18-Lithuania..........................816..............................1108
19-Belgium……………...……977.............................1088
20-Netherlands………………960..............................1117
21-Austria…………………….913..............................1077
22-Iceland.............................922..............................1053
23-Serbia...............................665...............................902
24-Hungary............................559...............................717
25-Germany………..…..........527...............................621 
26-Bulgaria............................422...............................620 (+47%)
27-France…………………….407...............................489 (+20%)
28-Latvia...............................296................................431 (+46%)

.

sábado, 27 de fevereiro de 2021

Catedrático de Coimbra queixa-se que a falta de integridade na Academia Portuguesa não tem consequências

 

https://www.sabado.pt/portugal/detalhe/os-pupilos-da-senhora-da-reitora

A revista Sábado publicou há poucos dias um artigo perturbador, sobre as relações entre o ISCTE e o partido socialista (link acima) e quem o leu dificilmente não ficou com a sensação que aquele instituto universitário (onde como já se tinha escrito aqui neste blog, porque alguém daquela instituição me deu conhecimento desse facto, até há quem tenha chegado a catedrático sem uma única publicação indexada) quase parece ser assim uma espécie de universidade de Verão (e de Inverno) do PSD (sem a letra D), pelo que não pode constituir escândalo que um dia destes, o André Ventura também queira ter uma universidade por conta e atendendo a que as maiores percentagens de votantes no Ventura, durante as presidenciais aconteceram no Alentejo então a hipótese mais provável é que essa seja a única universidade que fica nessa região.  E como o Bloco e o PCP tem já uma expressiva representação em quase todas elas, só ficará depois a faltar que o PAN e a Iniciativa Liberal também reclamem a universidade pública a que tem direito. 

O artigo publicado na revista Sábado teria porém ficado bastante mais completo se os jornalistas tivessem tentado saber como é que uma instituição que possui os melhores docentes em todo o ensino superior (atenta a elevadíssima percentagem de auto-Excelentes) é afinal uma das piores em termos de produção científica indexada por ETI e também uma das piores em termos de impacto científico https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/10/universidades-e-politecnicosracio.html 

E muito mais completo ainda teria ficado o referido artigo se os jornalistas da revista Sábado tivessem conseguido deslindar o mistério de saber como é que é possível que na instituição onde é mais fácil obter uma classificação Excelente, a excelsa Reitora do ISCTE, a Mui Magnifica Professora Doutora Maria de Lurdes Rodrigues, tenha tido, não um Excelente, não um Muito Bom, não um Bom ou sequer um Suficiente mas sim uma avaliação negativahttps://www.sabado.pt/ultima-hora/detalhe/iscte-chumba-maria-de-lurdes-rodrigues 

E porque é que em Portugal quem teve uma avaliação de desempenho negativa no ensino superior pode continuar calmamente a Orientar alunos de doutoramento e a ser convidado para ser arguente de teses de doutoramento ou em júris de Agregação, quando não é isso que sucede nem sequer ali ao lado na vizinha Espanha ? Faz sentido que apenas unidades classificadas com pelo menos Muito Bom possam atribuir o grau de Doutor, mas haja nessas unidades professores com desempenho negativo a orientarem teses de doutoramento ? 

E será que uma profissão onde as avaliações de desempenho negativas não tem quaisquer consequências merece ser respeitada ? Mas como poderiam ter consequências se o catedrático Ramalho-Santos da Universidade de Coimbra, escreveu há apenas três dias no jornal Público,  que a falta de integridade na Academia Portuguesa não tem consequências ? E pensando bem porque as teria se é o próprio legislador que nem sequer criminaliza as mentiras nos currículos académicos apresentados em concursos públicos https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/11/mentiras-nos-curriculos-academicos-nao_10.html

PS - Por uma estranha coincidência há poucos dias atrás fui contactado por uma Professora Associada com Agregação, de uma Universidade Pública, do Norte do país, queixando-se de um concurso para uma vaga de professor catedrático. Reproduzo abaixo a parte inicial da sua mensagem:

 Caro Colega Pacheco Torgal

Já em tempos lhe dei uma pequena nota sobre o assunto e agora lhe reencaminho todos os documentos da queixa/denúncia para IGEC com conhecimento para Sr.º Ministro e Sr.o Secretário de Estado.

 Como se permite que haja quem chegue a Catedrático sem ter:

(i) uma única orientação de Doutoramento- requisito de admissão do Edital;
(ii) sem NUNCA ter sido membro de equipas de projetos de investigação científica! Muito menos coordenador de projetos de investigação-requisito de admissão do Edital;
( iii) sem apresentar documentos comprovativos, em suporte digital, dos itens do CV;
(iv) itens que não correspondem à verdade!

 


quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

O Novo Grande Laboratório__Ou como os Portugueses desperdiçam dinheiro a repetir as asneiras dos outros



A imprensa informa hoje que foi aprovado um novo Grande Laboratório que vai fazer coisas extraordinárias.  
Desde logo não deixa de ser profundamente irónico que haja muito pouco dinheiro para financiar projectos de investigação (financiamento de apenas 312 projectos em 5847 submetidos) quando agora se despejam muitos milhões a financiar laboratórios mastodônticos, o que resume bem a estratégia científica do Ministro Heitor, se é grande é porque é bom. Assim se ignorando que a Ciência já demonstrou que são as pequenas unidades e não as unidades do tipo mastodôntico, como aquela a que faz referência a noticia acima, que conseguem ser mais disruptivas https://www.nature.com/articles/s41586-019-0941-9  que é precisamente o que precisa a ciência mundial e em particular a Portuguesa, que há décadas anda sem sucesso a tentar utrapassar a Grécia no campeonato do impacto científico, significando isso que em Portugal gostam pouco de aprender com os erros dos outros preferindo antes desperdiçar rios de dinheiro para cometerem exactamente os mesmos erros.

PS - Na supra referida noticia no jornal Público é mencionado o nome do catedrático Altamiro da Costa Pereira, o mesmo catedrático que neste blog tinha já sido mencionado num concurso, onde estranhamente não interessava nada a produção científica dos candidatos, num post onde até se fala de unidades que só com a equipa de gestão gastam 250.000 euros por ano  https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/11/a-ciencia-portuguesa-nao-necessita-de.html


quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Os sacramentados "líderes académicos, científicos" que fazem parte do novo Conselho Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação



O jornal Público informa hoje, vide link acima, que o Governo decidiu reavivar o Conselho Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (CNCTI) e no documento do governo pode ler-se que o "plenário do CNCTI integra os presidentes da FCT, da ANI e do IAPMEI, juntamente com 20 individualidades de reconhecido mérito em diferentes áreas do conhecimento e da economia, incluindo líderes académicos, científicos e empresariais" .

A mim porém interessa-me particularmente saber como é que os tais agora politicamente sacramentados, como sendo indiscutíveis "líderes académicos, científicos", se posicionam afinal em termos de conhecidas métricas, como por exemplo aquela métrica, por conta da qual há poucos anos atrás recebi um email do agora Conselheiro Científico do Presidente Biden. para dessa forma se poder confirmar se são mesmo líderes ou se são na realidade outra coisa que nem vale a pena nomear. Vide lista Abaixo:

Veiga Fernandes..........Ciências da Saúde..............FChampalimaud......75 (Índice-h platina)
Mónica Bettecourt........Ciências da Saúde..............IGulbenkian..............67
Maria Mota...................Ciências da Saúde..............ULisboa....................60
Taborda Barata............Ciências da Saúde..............UBI...........................15
Joana Palha.................Ciências da Saúde..............UMinho....................35
João Barros..................Eng Eletrotécnica................UPorto.....................56
Elvira Fortunato............Ciência dos materiais..........UNova.....................53
Arlindo Oliveira.............Ciências da computação.....ULisboa...................22
Isabel S.Pinto...............Ciências biológicas..............UPorto.....................16
Carlos Faro...................Biotecnologia......................UCoimbra................18
T.Pinto Correia..............Gestão paisagem rural.......UÉvora.....................12
Adão e Silva..................Ciências Políticas...............ISCTE.......................2
Aida Carvalho................Ciências da Cultura...........Pol. Bragança.........0.06

E porque é que será que numa altura em que Portugal se prepara para executar um Plano de Recuperação e Resiliência, em que mais de 4 mil milhões de euros são para ser gastos em obras de construção (2782 milhões de euros para habitação, 833 milhões de euros em infraestruturas, 620 milhões de euros para eficiência energética de edifícios e sem contabilizar sequer as centenas de milhões de euros previstas para a construção de vias de comunicação e para a expansão da rede do metro de Lisboa e Porto), não há no supra referido CNCTI um único representante da área científica de engenharia civil, mas haja curiosamente (quem sabe talvez para compensar) um especialista em Politologia ? 

Os revisores mais prolíficos por área científica



Segue abaixo a lista dos revisores mais prolíficos por "área científica". A associação do nome do revisor a cada área é feita analisando as palavras chave na página dos revisores e também a revista para a qual fizeram mais revisões. Na lista dominada pelas universidades de Aveiro e de Coimbra (vide resumo), merece também destaque (pela positiva) o elevado número de Colegas do Ensino Superior Politécnico e (pela negativa) o decepcionante desempenho de algumas conhecidas universidades públicas mas também a ausência de outras. Note-se que a referida lista respeita somente aqueles Colegas que aparecem nas 100 primeiras posições da lista geral nacional. Como é evidente as listas que mais importam são aquelas dentro de cada área científica, mas a essas cada interessado pode chegar bastando para isso que pesquise as palavras-chave relevantes para cada caso.  

Accounting.................................Lúcia Rodrigues..............UMinho
Antimicrobial Activity..................Helena Felgueiras...........UMinho
Applied Math. Modelling............Tenreiro Machado...........IPPorto 
Agricultural Sciences..................Manuel Mota...................UÉvora
Aquaculture................................Adelino Canário..............UALG
Atmospheric Sciences................Alfredo Rocha.................UAveiro
Big Data Analytics......................Jorge Bernardino............IPCoimbra
Biofuels......................................Nídia Caetano.................IPPorto
Biotechnology.............................Andrea Zille.....................UMinho
Biomedical Engineering.............João Tavares...................UPorto
Business Economics..................João Leitão......................UBI
Cell Biology................................M.Aureliano......................UALG
Civil Engineering........................Jorge de Brito..................ULisboa
Clinical Neurophysiology............Mamede Carvalho...........ULisboa
Communications........................Adão Silva........................UAveiro
Computing Sciences..................José Oliveira....................UALG
Chemical Engineering................Sónia Carabineiro...........UNova
Chemistry....................................Mário Calvete.................UCoimbra
Electronical Engineering.............Pedro Assunção.............IPLeiria
Applied Energy...........................João Soares....................IPPorto
Energy........................................Maria Dinis......................UFPessoa
Environmental Sciences.............Paulo Favas....................UTAD
Finance.......................................Paulo Mourão.................UMinho
Forensic Sciences......................Eugénia Cunha...............IMed Legal
Forestry Sciences.......................Paulo Fernandes............UTAD
Food Engineering.......................Rui Cruz..........................UALG
Geosciences...............................F.Pacheco.......................UTAD
Human reproduction...................Ramalho-Santos.............UCoimbra
Industrial Engineering................Vitor Pires.........................IPSetúbal
Management..............................Sandra Loureiro...............ISCTE
Materials Engineering................João Oliveira....................UNova
Mechanical Engineering.............Mário Costa.....................ULisboa
Medical Biochemistry.................Marco Alves.....................UPorto
Measurement.............................Nuno Domingues............IPLisboa
Microbiology...............................João Mesquita.................UPorto
Multimedia..................................R. Santos Cruz...............UCoimbra
Neuroscience.............................Rodrigo Cunha................UCoimbra
Nursing......................................Carlos Laranjeira.............IPLeiria
Oral Sciences............................Paulo Palma....................UCoimbra
Physics......................................P.I.Teixeira.......................IPLisboa
Pollution......................................Joana Prata....................UAveiro
Recycling...................................J.Labrincha......................UAveiro
Robotics.....................................Pedro Neto......................UCoimbra
Sensors......................................P.Caldas..........................IPViana Castelo
Sociology....................................Sandro Serpa..................UAçores
Solid State Ionics.......................A. Yaremchenko..............UAveiro
Tourism......................................Antónia Correia................UALG
Veterinary Sciences...................Paula A. Oliveira..............UTAD

Resumo por instituição:
Univ.Aveiro............6 revisores 
Univ.Coimbra........6
UALG....................5
UTAD....................4
Univ.Minho............4
IPolPorto...............3
Univ.Porto.............3
Univ.Lisboa...........3
IPolLeiria...............2
IPolLisboa.............2
Univ.Nova..............2
IPolViana Cast......1
IPol.Setúbal..........1
IPol.Coimbra.........1
Univ.FPessoa........1
ISCTE...................1
Univ.Açores...........1
UBI........................1
Univ.Évora.............1


terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

The Economist__ The day of reckoning has come for CEOs

 https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/12/the-economistcut-salaries-of-executives.html

It almost seems that the End of Times is near, otherwise how to understand that the rigth-wing The Economist acts as if the day of reckoning has arrived for CEOs. Two months ago a cut of their paycheck by no less than 50% was suggested (link above). And now the last number of the same newsweek has an article calling for an even harder punishment of CEOs:

"The most striking change...the rise of the “clawback”. This is a provision in pay plans that gives the board the right...to yank bonuses or stock awards given but later found to be unjustly earned" https://www.economist.com/business/2021/02/20/how-to-design-ceo-pay-to-punish-iniquity-not-just-reward-virtue


O rigor (ou a falta dele) do Ministro Heitor



O jornal Público reproduziu ontem um artigo do Ministro Heitor com lindos números sobre a Ciência, que me abstenho de comentar por ser um exercício absolutamente inútil,
como bem se percebe aqui, mas já me custa engolir que alguém que é catedrático, ainda por cima no Técnico,  seja tão pouco rigoroso ao ponto de querer levar os Portugueses a acreditar que as empresas deste país desataram a investigar furiosamente, incluindo (pasme-se) até mesmo os bancos que nessa tese são agora instituições que estão nada menos do que possuídas pela mesma obsessão investigatória e pior ainda por pretender lavar uma mirabolante tese, segundo a qual Portugal já é mais inovador do que a Suiça. Uma autêntica e indigna mistificação que eu já tinha anteriormente demolido aqui https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/06/dizem-que-portugal-e-mais-inovador-do.html

O facto de se tratar do mesmo Ministro que em má hora aceitou contribuir para baixar o rigor (e a ética) dos concursos universitários ajuda a perceber a "verdade" das suas palavras  https://pacheco-torgal.blogspot.com/2019/10/ensino-superiorconcursos-revelia-da-lei.html  É ainda o mesmo Ministro que em Março de 2019, em artigo no jornal Público, o Carlos Fiolhais apelidou de falhado,  e o mesmo que em 2019, o anterior Presidente do Sindicato do Ensino Superior, Gonçalo Velho, acusou de dizer mentiras.

Também em 2019 comentei uma entrevista delico-doce, que um jornalista pouco rigoroso do Expresso fez ao Ministro Heitor, tendo na altura lamentado que muito convenientenente não lhe tivesse sido colocada nenhuma das seguintes e incómodas perguntas:
-O que tem a dizer à acusação sobre a negligência de muitos avaliadores por não terem cumprido o regulamento de avaliação ao fazerem menção a métricas como o número de artigos, o número de citações e o tipo de revistas ?
-Quem convidou para Chair de duas áreas cientificas dois antigos diplomados pela universidade de Lisboa, acha que isso é sinónimo de imparcialidade ?
-Será que isso é uma adaptação do provérbio "quem parte e reparte e não fica com a melhor parte ou é burro ou não tem arte ?
-Porque é que neste concurso as unidades com mais de 100 investigadores puderam indicar o nome dos avaliadores, acha que isso é sinónimo de imparcialidade ?
-Porque é que só 6 áreas tiveram direito a Chairs provenientes de universidades de topo ?
-Quem é que escolheu essas áreas e qual foi o critério ?
-Porque é que 12 áreas foram avaliadas em painéis com Chairs provenientes de universidades da terceira divisão, pois nem sequer conseguem constar do ranking Shanghai, o único que a Comissão Europeia associa à excelência cientifica ?
-Será que faz algum sentido que neste processo haja avaliadores de universidades Turcas?
-É este o nosso nível de ambição, que a nossa investigação esteja ao nível da que se faz na Turquia ?

PS - E depois ainda há quem se admire que com um Ministro da Ciência e Tecnologia (e do Ensino superior) com este baixo rigor e esta fraca ambição Portugal não pare de descer no conceituado ranking Shanghai e agora até a Universidade Nova de Lisboa apareça abaixo de Universidades da Turquia, do Irão, do Egipto e do Paquistão https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/08/o-incompreensivel-desempenho-cientifico.html



domingo, 21 de fevereiro de 2021

A new Post-Publication Peer Review (PPPR) system

 


Japanese academics suggest a new PPPR system, see paper below: 
"In this paper, we proposed a new PPPR system that might solve the problem of unpopularity that other PPPRs are currently facing. We speculate that the biggest cause of the problem is the lack of strong incentives among potential commenters. We looked at the open peer commentary section of BBS as a reference, and implemented its features in the current web-based, open research environment. As in some other existing PPPR systems, target articles will be taken from any academic media including preprints, and are reviewed by the unlimited number of commentaries. It critically differs from others, however, regarding that the review commentaries will be qualified, if minimally, by journal editors, and published in a section specifically dedicated to PPPR" https://psyarxiv.com/sp3j5

Not by coincidence back in June 24 of 2018 i sent an email to "several" Colleagues in which PPPR is mentioned. See it below. Be there as it may i have done my fair share (more than one hundred) of Post Publications Reviews using the platform Publons. See nine PPPRs in the links below:

_______________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 24 de Junho de 2018 7:33
Assunto: Stop the publication machine: Start the post-publication peer review machine

"…science has become stifled by a publication deluge destabilizing the balance between production and consumption....an increasing focus on production over consumption also means that researchers will spend...less time reading and digesting the literature in the first place”
 https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1751157717303139

Above link for a study by researchers of Aalto University, University of California, Politecnico di Milano and Indiana University published on the Journal of Informetrics online 3 days ago. 
The last co-author is Professor Fortunato, Director of the Center for ComplexNetworks and Systems Research at Indiana University 


The title could also be “Stop the publication machine. Start the post-publication peer review machine” just because Academia should aim for a balance between production, prepublication peer review, and post-publication peer review. As Civil Engineering Full Professor Marc Edwards has written production obsession is responsible for the explosion of research misconduct:

This position was already backed by many including by Stanford University academics:



sábado, 20 de fevereiro de 2021

Luxos para ricos (políticos) pagos pelos mais pobres e desgraçados


Ontem o Expresso revelou como é que o Governo Português anda a contar com o anormalmente elevado e até patológico, número de apostas dos jogadores das raspadinhas para pagar um sem número de despesas públicas, como as famosas subvenções vitalícias pagas a mais de 300 ex-deputados que custam vários milhões de euros a cada ano, como as viaturas compradas pelos mais de trezentos Presidentes de Câmara deste país, como as várias centenas de viaturas para os fabulosos gestores das empresas públicas (cujo vencimento convém lembrar é superior ao do Presidente da República) e também (mas não só) todas as viaturas compradas pela Assembleia da República (onde evidentemente não entram os Renaults Clios, nem outras viaturas da mesma gama, porque são viaturas sem dignidade suficiente para transportar gente tão distinta), o que significa que nunca a expressão "Luxos para os ricos pagos pelos pobres" inscrita na imagem acima, fez tanto sentido. 

Felizmente porém que o semanário Expresso (que deu conta dos muitos casos de desgraçados e desgraçadas que neste país ficaram na miséria por conta do vicio das apostas nas raspadinhas) não deixou a coisa barata já que num ácido Editorial dedicado ao tema terminou com a pergunta "Queremos um Estado viciado em raspadinhas?"

Agora já só nos falta que um dia destes um Ministro Holandês venha dizer que os Portugueses gastam o dinheiro todo em raspadinhas. O que até nem é uma grande mentira tendo em conta que como revelou o artigo do Expresso, Portugal é o campeão europeu do vicio neste jogo, com uma despesa per capita que está 200% acima da média europeia. 

PS - Aquilo que o dinheiro das raspadinhas não consegue pagar são os milhares de milhões de euros de prejuízos causados por muitos gestores de empresas públicas (cujo maior mérito é serem familiares, amigos ou frequentarem a mesma loja e usarem o mesmo avental de certos políticos e de igualmente a eles terem uma única e asquerosa ambição na vida, a de parasitarem o máximo que puderem e durante o máximo tempo possível, os dinheiros públicos) como estes aqui https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/12/estado-portugues-paga-milhares-de.html


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

Covid-19__ A perigosa invasão vermelha e os valentes heróis grandoleiros

 


A imagem acima foi extraída de uma artigo publicado na revista Visão, (atente-se nos distritos mais afectados pelo perigo vermelho, da variante Inglesa que é muito mais infecciosa e que há dois dias o New York Times dizia ser mais mortal) artigo esse onde se discute até que ponto as variantes do Covid-19 podem diminuir a eficácia das vacinas. Aliás hoje mesmo há uma frase muito interessante num artigo da conhecida revista científica Nature "Infecções mais longas podem levar a uma propagação rápida de uma variante"


PS1 - De todas as coisas negativas que a Covid-19 trouxe convém reconhecer que também trouxe coisas muito positivas, como seja por exemplo o facto de ficarmos a saber que este país têm muitos lutadores da liberdade que por timidez andavam escondidos, como aqueles heróis que foram em notória violação das regras (que visam pôr cobro a filas de ambulâncias nos hospitais e a reduzir o número de centenas de mortos diários) comer, beber e grandolar a um restaurante cujo dono se acha muito mais esperto que todos os outros Assim sendo e tendo em conta que a imprensa noticiou recentemente que uma senhora acompanhou um familiar idoso na visita a um hospital privado para fazer exames e tendo essa acompanhante caído durante essa visita, o hospital privado informou que como ela não tinha seguro de saúde, só poderia tratá-la se aceitasse pagar 100% dos custos. Em face da exorbitância dos mesmos (para garantir que os lucros continuem a não ficar longe daqueles que se praticam no negócio das armas) não lhe restou por isso outra solução do que ser imediatamente transportada para um daqueles hospitais públicos, que são suportados unicamente por conta daquele cada vez mais escasso grupo dos que pagam impostos neste país. Serve assim o presente episódio como introdução, para esperar que quando algum daqueles heróis grandoleiros, acima citados, for hospitalizado por conta do Covid ou quando infectarem alguém, que tenha que ser tratado num hospital público, devem ser obrigados a pagar a conta do tratamento a 100% exactamente como é exigido nos hospitais privados. Uma hipótese alternativa a pagarem a conta em numerário será a de terem de passar dois ou três meses num hospital público a despejar e a limpar as arrastadeiras dos doentes Covid. 

PS2 - Abaixo link para um curto video com a duração de um minuto e pouco sobre a importância do uso de máscaras, que os supracitados heróis grandoleiros não gostam de usar  https://www.youtube.com/watch?v=DNeYfUTA11s

FCT__Citações médias anuais por investigador ETI na Scopus para 29 áreas científicas




Note-se que na lista abaixo não aparecem os valores para algumas áreas (como Estudos Artisticos, História, Direito etc) relativamente às quais a bibliometria oferece uma correlação pouco robusta quando comparada com a avaliação por pares 

Agricultura e Ciências Florestais..............................................................20 citações/ano/ETI 
Ciência Animal e Ciências Veterinárias....................................................21
Tecnologia de Produtos de Base Biológica ou Ciências Alimentares.......14
Ciências Bioquímicas................................................................................27
Bioengenharia...........................................................................................14
Ciência Biológicas ou Biologia Ambiental.................................................23
Biomedicina...............................................................................................27
Biotecnologia.............................................................................................19
Gestão.........................................................................................................8
Engenharia Química..................................................................................29
Química.....................................................................................................29
Engenharia Civil........................................................................................12
Investigação Clínica..................................................................................44
Ciências e Engenharia dos Computadores...............................................10
Diagnóstico, Terapêutica e Saúde Pública................................................17
Economia....................................................................................................8 
Engenharia Electrotécnica.........................................................................17
Ciências Ambientais...................................................................................11
Biologia Experimental.................................................................................25
Geociências................................................................................................12
Imunologia e Infeção..................................................................................19
Ciências e Tecnologia do Mar.....................................................................23
Ciência e Engenharia de Materiais............................................................20
Matemática..................................................................................................8
Engenharia Mecânica e Sistemas de Engenharia......................................13
Nanociências e Nanotecnologia..................................................................23
Neurociências, Envelhecimento e Doenças Degenerativas.......................12
Física...........................................................................................................43
Psicologia....................................................................................................14

Os valores supra são importantes na justa medida em que permitem saber a qualquer investigador se o seu desempenho é inferior ou superior à média da sua área. E poderiam até servir como valores mínimos para o acesso a lugares de tenure na carreira académica. Isto é, não deveria ser sequer possível alguém poder concorrer a um lugar de Associado ou Catedrático na área da Física, se ao longo de 10 anos (contados da data de obtenção do graude doutor) obteve menos de 430 citações na base Scopus ou alguém que na área da Investigação Clínica, obteve ao longo de 20 anos, depois de se doutorar menos de 880 citações (auto-citações excluídas, como é evidente). 

Embora a média anual nacional dos investigadores da área da engenharia civil seja de 12 citações/ano, há sete anos atrás constatei que a média anual para o grupo dos 5% de catedráticos com o melhor desempenho era de 46 citações, sendo que os melhores catedráticos de engenharia civil no Imperial Colege e no MIT tinham citações médias anuais respectivamente de 47 citações e 71 citações na base Scopus. São estes os valores de referência, que os investigadores nacionais desta área científica, devem ambicionar alcançar.

PS - Uma coisa é certa, aqueles que agora se iniciam no mundo da investigação, se tiverem alguma pretensão a poderem um dia vir a ter uma obra com elevado impacto (condição necessária para poderem trabalhar numa universidade estrangeira de topo) devem tentar evitar Orientadores estéreis, nem mesmo que eles sejam catedráticos, pois a Ciência mostra que os mesmos prejudicam de forma grave e permanente as referidas aspirações 

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

‘Nepotistic journals’__Uncovering how some Academics unethically benefit from their editorial membership

 

"5468 journals that published 4.986.335 papers between 2015 and 2019 were analysed...Our results reveal a subset of journals where a few authors, often members of the editorial board, were responsible for a disproportionate number of publications. The papers by these authors were more likely to be accepted for publication within 3 weeks of their submission"


PS - For how much longer will the scientific community be so dependent on The Most Profitable Obsolete Technology in History’ ?


terça-feira, 16 de fevereiro de 2021

Primeiro-Ministro pede contributos urgentes para melhorar o plano da super-vitamina


https://www.publico.pt/2021/02/16/politica/noticia/primeiroministro-pede-contributos-portugueses-plano-recuperacao-1950878

O Sr. Primeiro-Ministro solicitou hoje contributos (link acima) para melhorar o plano super-vitaminado que "nos vai ajudar a sair da crise e tornar o país mais resiliente, verde e digital". Faço por isso votos que pelo menos a Academia Portuguesa, onde existe um número anormalmente elevado de docentes super-Excelentes, possa contribuir com super-excelentes contributos para tornar o referido plano (que consiste em "19 componentes, que integram por sua vez 36 reformas e 77 investimentos" num plano nunca menos do que super-Excelente. 

Pela minha parte já estou muito contente, pois que tendo constatado há alguns meses atrás que na versão inicial do referido plano a palavra corrupção aparecia zero vezes, agora a mesma até já consegue aparecer 2 (duas) vezes, a páginas 135 e 146, o que não pode deixar de ser considerado uma grande melhoria, mesmo que seja só para "inglês ver". Ainda assim está muito longe das portentosas 26 vezes em que a mesma palavra apareceu mencionada no programa eleitoral com que o partido socialista ganhou as últimas eleições legislativas, onde até se chegou ao ponto de se propor a criação de "uma pena acessória para os...condenados por corrupção, o que...poderá impedir a sua eleição ou nomeação para cargos políticos em caso de condenação pela prática de crimes de corrupção...por um período até 10 anos" proposta essa que contudo e até hoje ainda continua somente no programa eleitoral e nunca fez parte de nenhuma proposta legislativa submetida à aprovação da Assembleia da República.  

PS - Mesmo a muito recente Lei n.º 75-C/2020 referente às Grandes Opções (2021-2023), publicada a 31 de Dezembro de 2020, menciona a palavra corrupção nada menos do que 32 vezes mas é somente para fazer "novas" promessas, incluindo voltar a prometer a tal supracitada pena acessória. Com um bocado de sorte talvez daqui a cinquenta anos aprovem a referida pena acessória de inibição para os politicos corruptos, e nessa altura se consiga então travar a epidemia de corrupção (Eanes dixit) que há muito empobrece Portugal 


O desemprego médico é fundamental para a boa saúde dos doentes


Num país onde o desemprego médico é nulo o resultado mais evidente é que todos os maus médicos estão a trabalhar, como por exemplo aquela médica mencionada ontem num artigo do jornal Público que se recusou a fazer exames a um doente alegando que ele estaria sob o efeito de drogas quando afinal ele estava era a ter um derrame cerebral (AVC). 

Não se espere porém que a Ordem dos Médicos vá a correr levantar um processo disciplinar a esta médica pois as prioridades dessa associação são outras, como se percebe bem pelos 12 anos que foram necessários para concluir um processo disciplinar, que resultaram apenas em 10 dias de suspensão e que mesmos esses o médico se recusou a cumprir e também pela linda conversa do sr. bastonário da OM https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/01/bastonario-da-ordem-dos-medicos.html


domingo, 14 de fevereiro de 2021

Journal of Population Economics __ Is happiness U-shaped everywhere?


Still, following on a previous post about the paper "Can Money Buy Happiness? Evidence for European Countrieshttps://link.springer.com/article/10.1007/s11482-019-09714-3#Sec12 see below a more recent paper on happiness by the renowned David G. Blanchflower professor of Economics at the Darmouth College:

"An early psychology literature suggested there was no age-happiness relationship...No ifs, no buts, well-being is U-shaped in age. The average age at which the U-shaped minimized across the 477 country-level estimates reported here is 48.3. It is in rich and poor countries...Given the robustness of these findings, it remains a puzzle why so many psychologists continue to suggest that well-being is unrelated to age" 


sábado, 13 de fevereiro de 2021

A empresa campeã de multas que já conseguiu colocar 55 publicações na Scopus




O post acima escrito num quente 14 de Agosto do ano passado, terminava lamentando que enquanto que conhecidas empresas estrangeiras de telecomunicações possuiam milhares de publicações indexadas na plataforma Scopus, a conhecida Altice (empresa campeã nacional da maior multa por cartelização de preços ) possuia apenas 54. 

Felizmente porém que agora já possui 55 publicações, o que parece indicar que daqui 6 meses conseguirá chegar às 56 publicações. Um portento ! Seria por isso interessante saber quantos milhões de euros de benefícios fiscais já teve esta empresa por conta desta (e doutras) intensas actividades de investigação ?

No mês passado o Gabinete de estudos do Ministério da Economia publicou um documento de 60 páginas, onde entre as várias e interessantes figuras há uma que compara com quanto é que os diversos países europeus subsidiam a I&D nas empresas privadas, através de créditos fiscais, nessa figura Portugal aparece em 4º lugar como um dos países que mais gasta a subsidiar as empresas, curiosamente ao contrário de países como a Suiça e a Alemanha, que no ano em análise, gastaram zero em incentivos fiscais para a I&D empresarial. 

Mesmo que Portugal cortasse esses incentivos fiscais em 50% ainda ficava à frente de países como os EUA ou a Suécia, o que parece indicar que as empresas Portuguesas tem andado a beneficiar de um regime fiscal muito generoso, muitas vezes apenas por conta de investigações que soam mais a mistificações ! No mínimo dos mínimos deveria proibir-se que os empresários envolvidos em esquemas de planeamento fiscal agressivo ou aqueles que como a Altice foram apanhados a combinar preços para prejudicar os contribuintes possam ter acesso a tais subsidios fiscais !

Isto já para nem lembrar aquele outro bizarro beneficio fiscal que permite que os empresários possam deduzir nos impostos as despesas com viaturas de luxo, que está bom de ver não são absolutamente imprescindiveis para as suas actividades económicas, no máximo servem apenas como simbolo de um novo-riquismo basbaque e também para bem transportarem o Sr.Presidente da Câmara ou algum Sr. deputado (que também são conhecidos por adorarem viaturas de gama alta, mas somente se forem pagas com o dinheiro dos contribuintes) até ao restaurante mais caro da zona, para aí brindarem aos subsídios fiscais da investigação, quando são visitado por aqueles nas suas empresas. 

PS - No documento acima citado pode ler-se que entre as despesas elegíveis a título de beneficios fiscais inclui-se inclusive a contratação de trabalhadores com o nível de qualificação N4, que para quem não sabe é um nível de qualificação que está muito abaixo do doutoramento (N8) e corresponde ao ensino secundário, o que mostra bem que tipo de "investigações" empresariais é que andam a ser subsidiadas em Portugal.  



sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Sobre o medo e a cobardia na Academia

  

https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/10/o-medo-na-universidade-portuguesa.html

Ainda sobre o post acima é pertinente recordar uma interessante frase, que abaixo se reproduz, inscrita num monumento da Alemanha e que é referida num artigo publicado na revista Visão:
"Se perdeste o teu dinheiro, não perdeste nada porque com bons negócios podes recuperá-lo; se perdeste a tua honra, perdeste bastante, mas com acções heróicas podes recuperá-la; mas se perdeste a coragem, perdeste tudo"

Faz por isso todo o sentido questionar, quantos haverá na Academia que perderam tudo ?


quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

The Economist__What´s the maximum sustainable level of GDP ?




Still following the posts above check the article recently published in the Economist:
"As the efficiency as with which we make use of Eart´s finite bounty is bounded (by the laws of physics), there is necessarily some maximum sustainable level of GDP"

PS - What´s the point of having billions in a world in which nobody can have a carbon footprint above 1.6 tonnes/year ?


quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Purdue, Yale and MIT study highlights the high carbon footprint of social media


Obringer et al. (2021) The overlooked environmental footprint of increasing Internet use. Resources, Conservation and Recycling 167: 105389

"The team estimated the carbon, water and land footprints associated with each gigabyte of data used in YouTube, Zoom, Facebook, Instagram, Twitter, TikTok and 12 other platforms, as well as in online gaming and miscellaneous web surfing. As expected, the more video used in an application, the larger the footprints"

PS - It is worth remembering that Mark Carney (former Governor of the Bank of England and the former head of the Bank of Canada) said a few days ago that Climate Change will kill more people than Covid-19, he said that it would be like to have a coronavirus crisis every year https://www.bbc.com/news/business-55944570 



terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Será que os investigadores Portugueses têm receio de submeter candidaturas ao European Research Council ?

 

A figura acima mostra que após correcção das diferenças populacionais entre os diferentes países, a Suécia, a Suiça, a Finlândia e a Holanda submetem muito mais candidaturas individuais ás bolsas milionárias do European Research Council do que Portugal. Qual a será a razão para que haja países europeus a submeter 300% e até 400% mais candidaturas do que Portugal ? 

Será que é porque como se viu anteriormente os investigadores Portugueses preferem gastar as suas energias a produzir um elevado número de publicações sem impacto ? https://pacheco-torgal.blogspot.com/2021/01/publicacoes-cientificasem-2009-portugal.html

Neste momento a FCT financia à volta de 300 unidades de investigação, seria por isso expectável que no mínimo, cada unidade fizesse pelo menos uma candidatura anual às bolsas do European Research Council e porém o número de candidaturas anuais não chega sequer a uma centena. E como há mais de uma centena de unidades classificadas com a notação EXCELENTE (que são as unidades com mais obrigações em concorrer a essas bolsas), então isso significa que nem sequer há uma candidatura anual às bolsas ERC, por cada unidade classificada com EXCELENTE, quando na verdade o numero total anual de candidaturas Portuguesas deveria ser de várias centenas, somente para  estarmos com a mesma intensidade de candidaturas dos países acima referidos. 

Faz algum sentido que as mesmas unidades de investigação que submeteram vários milhares de candidaturas (5847, cinco mil oitocentos e quarenta e sete) na última Call de projectos da FCT, submetam anualmente apenas algumas poucas dezenas de candidaturas ao European Research Council e até haja unidades classificadas com Excelente de onde nunca saiu uma única candidatura às bolsas milionárias da ERC ? 

Será medo ? Mas medo do quê se os concursos do European Research Council até tem taxas de rejeição similares ás dos concursos da FCT e se o processo de candidatura na plataforma da FCT até é mais burocrático do que o da European Research Council ?