segunda-feira, 31 de maio de 2021

Porque será que na Universidade do Porto não conseguem fazer o que fazem na UBI ?

 


Relativamente ao desempenho das instituições de ensino superior em Portugal no ranking conhecido Shanghai, por áreas, reproduzo abaixo algumas perguntas que merecem resposta:

- Porque será que relativamente à área de Psicologia, a Universidade do Porto não consegue aparecer no supracitado ranking ao contrário do ISCTE e até do ISPA ?

- Porque será que relativamente à área das Ciências da Terra, a Universidade do Porto não consegue aparecer no ranking ao contrário da Universidade do Algarve?

- Porque será que relativamente à área do Direito a Universidade do Porto não consegue aparecer no ranking ao contrário da Universidade do Minho ?

- Porque será que relativamente à área Bussiness Administration a Universidade do Porto não consegue aparecer no ranking Shanghai ao contrário da UBI ?

A capacidade de enganar como um sinal de inteligência



Na sequência do post acima, acerca da perigosidade do excesso de pessoas inteligentes, fica-se agora também a saber por conta de um recente artigo de investigadores Canadianos que a vigarice está associada á inteligência "Bullshit Ability as an Honest Signal of Intelligence"

PS - Agora fica a faltar um estudo que mostre que a preguiça também é um sinal de inteligência, até porque em 2020, um certo Italiano deu uma interesante entrevista ao jornal Público onde revelou que aquando do ingresso no ensino superior ele esteve indeciso entre a Arquitectura e a Física e escolheu a segunda somente por uma questão de preguiça:
"Arquitectura eram cinco anos e 30 exames, Física quatro anos e 19 exames. Decidi ir para Física porque não queria estudar e trabalhar demasiado"
A bizarra escolha acabou contudo por dar à Humanidade um cientista bastante talentoso que esteve associado a uma das mais importantes descobertas ocorridas nos últimos tempos. 

domingo, 30 de maio de 2021

Bullshit Ability as an Honest Signal of Intelligence



Still following the post above on intelligence and beauty and the article published in The Economist about the danger of having too many intelligent people  check in the link below a recent paper just published in the journal Evolutionary Psychology by researchers from Canada:
 
"Navigating social systems efficiently is critical to our species. Humans appear endowed with a cognitive system that has formed to meet the unique challenges that emerge for highly social species. Bullshitting, communication characterised by an intent to be convincing or impressive without concern for truth, is ubiquitous within human societies. Across two studies (N = 1,017), we assess participants’ ability to produce satisfying and seemingly accurate bullshit as an honest signal of their intelligence. We find that bullshit ability is associated with an individual’s intelligence and individuals capable of producing more satisfying bullshit are judged by second-hand observers to be more intelligent. We interpret these results as adding evidence for intelligence being geared towards the navigation of social systems. The ability to produce satisfying bullshit may serve to assist individuals in negotiating their social world, both as an energetically efficient strategy for impressing others and as an honest signal of intelligence"https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/14747049211000317

PS - One of these days someone will carry out a study that will show that laziness is also a sign of intelligence, not least because one year ago, an Italian named Guido Tonelli gave an interesting interview where he revealed that when he was young he was undecided between Architecture and Physics and chose the second just for the sake of laziness:

"Architecture was five years and 30 exams, Physics four years and 19 exams. I decided to go to Physics because I didn't want to study and work too much" The bizarre choice, however, ended up giving Humanity a very talented scientist who is associated with one of the most important discoveries in the field of physics, the discovery of the Higgs boson.



A insuportável impunidade de uma casta medíocre e criminosa

O Director da revista Sábado costuma escrever uns editoriais que não primam pelo respeitinho ao "sistema" e por vezes até chegam a ser bastante incómodos, como sucedeu com um editorial de Julho do ano passado e também sucede com o verrinoso editorial desta semana. Breve trecho abaixo:

“...uma casta, para lá de medíocre e criminosa...que não está pobre, não foi punida e goza todos os dias com a democracia e os portugueses, manipulando as suas próprias falências, colocando os milhões a salvo e deixando para trás a narrativa dos atestados de pobreza. Se existisse em Portugal uma verdadeira sociedade civil...Não existiria o o presente clima de impunidade, o Estado seria muito mais competente a confiscar bens a esta gente, as penas por corrupção e os crimes económicos em geral seriam muito mais robustos, não sobreviveriam os contos da carochinha, como o que o juiz Ivo Rosa contou no debate instrutório da Operação Marquês...Num país em que os Estado e os bancos penhoram cidadãos comuns por dá-cá-aquela-palha, nada disto é suportável...”


Ordem dos Engenheiros novamente na companhia da má fama

 

https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/08/e-preciso-meter-as-ordens-na-ordem.html

Depois do episódio ocorrido no ano passado, post acima, o Bastonário da Ordem dos Engenheiros volta esta semana novamente a juntar-se aos Bastonários das Ordens dos Advogados e dos Médicos (duas Ordens que tem uma notória má fama aos olhos dos Portugueses) para num artigo publicado no caderno principal do Expresso, criticarem medidas do Governo, inscritas no Plano de Recuperação e Resiliência, relativas às Ordens Profissionais. 

A má fama das tais duas Ordens é tal que muitos Portugueses por certo pensarão que se elas se queixam então é porque os planos do Governo só podem ser positivos e atento o conhecido provérbio que reza "Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és" há um risco efectivo dos Portugueses também começarem a achar que a Ordem dos Engenheiros é afinal "farinha do mesmo saco" que a Ordem dos Médicos e a Ordem dos Advogados. 

PS - Sobre a Ordem dos Advogados convém recordar isto https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/01/e-urgente-uma-sindicancia-ordem-dos.html e principalmente a noticia asquerosa hoje no jornal Público que informa que a Ordem dos Advogados deixou prescrever um processo relativo a um advogado que abusou sexualmente de uma criança de 7 anos e que por isso continua alegremente a advogar, já sobre a Ordem dos Médicos é bom não esquecer os muitos médicos que impunemente mataram ou estropiaram doentes (como por exemplo aquele envolvido na morte de uma criança e que se recusou a cumprir até uma pena ridicula de 10 dias de suspensão) e que também continuam alegremente a exercer medicina ou as centenas de médicos apanhados com  boca na botija pela Policia Juciária https://pacheco-torgal.blogspot.com/2019/10/a-mafia-da-medicina.html e já agora também a preocupante frase dita há quase duas décadas atrás por um conhecido catedrático que deixa poucas dúvidas sobre o que realmente move a Ordem dos Médicos:
"Ainda está por fazer o julgamento político dos ministros da saúde e da educação que, juntamente com a Ordem dos Médicos, conspiraram para reduzir criminosamente o número de vagas em Medicina durante os anos 80 e primeira metade dos anos 90"

 

sábado, 29 de maio de 2021

A excelência Portuguesa (de nível quase Nobel) com métricas pouco excelentes

 

Sobre a excelente unidade de investigação da quase quase Nobel Elvira Fortunato, de nome Instituto de Nanoestruturas, Nanomodelação e Nanofabricação é muito estranho constatar que um pesquisa no recente ranking Shanghai por áreas mostra que relativamente à área "Nanoscience and Nanotechnology" Portugal só consegue colocar uma única universidade no Top 10 Ibérico e essa não é a Universidade da catedrática Elvira Fortunato mas a Universidade de Aveiro. 

1º - Universidade Autónoma de Barcelona
2º - Universidade Autónima de Madrid
3º - Universidade Politécnica da Catalunha
4º - Universidade do País Basco
5º - Universidade Jaime I
6º - Universidade de Barcelona
7º - Universidade de Valência
8º - Universidade de Aveiro 
9 - Universidade Complutense de Madrid
10- Universidade de Zaragoza

Como anteriormente se tinha recordado neste blog, a unidade de investigação da catedrática Fortunato, não conseguiu ir além do 4º lugar nacional, em termos de citações por investigador, num estudo bibliométrico que foi encomendado pela FCT à Elsevier https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/10/sera-que-um-financiamento-cientifico.html 

PS - Mesmo no que respeita à Ciência dos Materiais, a Universidade Nova de Lisboa não consegue melhor no recente ranking Shanghai por áreas do que o 4º lugar nacional e o 9º lugar no Top 10 Ibérico  o que muito dificilmente se pode considerar um resultado excelente. 


sexta-feira, 28 de maio de 2021

Três simples perguntas sobre a excelência científica de uma certa área

 

https://pacheco-torgal.blogspot.com/2021/05/shanghai-ranking-por-areasso-6.html

Ainda na sequência do post acima sobre a área da engenharia civil que domina o Top 10 Ibérico incluindo o segundo e terceiro lugares, compare-se esse desempenho com o desempenho da área da Física, que na última avaliação de unidades de investigação, teve 87% classificadas com Excelente ou Muito Bom. 

Lista dos 10 cursos de Física do espaço Ibérico com melhor classificação no ranking Shanghai 2021 por áreas.

1º Universidade Autonoma de Madrid 
2º Universidade de Barcelona 
3º Universidade de Valência  
4º Universidade Autonoma de Barcelona 
5º Universidade Politécnica da Catalunha 
6º Universidade de Lisboa
7º Universidade de Granada 
8º Universidade de La Laguna 
9º Universidade de Oviedo 
10º Universidade de S.Tiago de Compostela

1 - Como é que com tantas unidades classificadas com Excelente e Muito Bom, a Física Portuguesa só tem direito a um lugar no Top 10 Ibérico enquanto que a área da engenharia civil ocupa nada menos do que seis lugares, incluindo o segundo e o terceiro lugar  ?

2 - Se houvesse um campeonato Ibérico de futebol poderia alguém achar um excelente resultado que a melhor equipa Portuguesa só conseguisse ficar em 6º lugar ?

3 - E se é assim relativamente à Espanha, que não é nenhuma potência científica mundial na área da Física,  que distância é que separará a excelência Portuguesa da área da Física da excelência das melhores universidades dos EUA nessa área ?

Tenha-se presente que a universidade Espanhola melhor classificada na área da engenharia civil está em 6º lugar mundial no ranking Shanghai 2021 por áreas enquanto que a melhor Universidade Espanhola na área da Física nem sequer aparece entre as 50 melhores a nível mundial

Tenha-se também presente que Portugal gastou até hoje muitissimo mais com a investigação da área da Física do que com a área da engenharia civil, o que se fica a dever ao facto da Física ser a área preferida do Ministro Mariano Gago, só para o CERN, de que o nosso país faz parte há 35 anos, Portugal paga todos os anos uma quota de uma dezena de milhões de euros. 

 

quinta-feira, 27 de maio de 2021

Ranking Shanghai por áreas__Só seis instituições nacionais conseguem aparecer no Top 100



Acaba de ser divulgado o conhecido ranking Shanghai por áreas, que é baseado em publicações científicas, citações, colaborações internacionais e prémios

Abaixo lista de instituições ordenadas segundo o maior número de áreas no referido ranking.

1º - Univ. de Lisboa....................43 áreas no Top 500
2º - Univ. do Porto......................31
3º - Univ. de Coimbra.................24
4º - Univ Nova............................22
5º - Univ de Aveiro.....................20
6º - Univ. do Minho.....................17
7º - ISCTE...................................6
8º - UALG....................................6
9º - UTAD....................................3
10º - Univ. Católica......................3
11º - Pol Bragança.......................2
12º - Univ. dos Açores.................2
13º - UBI......................................2
14º - ISPA....................................1
15º - Esc Sup Enfer. Coimbra......1
16º - Univ. de Évora.....................1

Porém quando a análise incide sobre o Top 100, constata-se que somente a Universidade de Lisboa, a Universidade do Porto, a Universidade do Minho, a Universidade Nova, o ISCTE e o Politécnico de Bragança conseguem lá aparecer. 

Abaixo as 12 áreas mais competitivas de Portugal que conseguem integrar o Top 100
- Food Science and Technology
- Veterinary Sciences
- Marine and Ocean engineering
- Remote sensing
- Biomedical engineering
- Chemical Engineering
- Finance
- Tourism Management
- Geography
- Oceanography
- Agricultural Sciences

Engenharia Civil__ Universidade do Minho entra no pódio das melhores universidades da Península Ibérica


Foi divulgado esta semana o conhecido ranking Shanghai 2021, para 54 áreas científicas, vide link acima, cuja metodologia compreende 5 variáveis relacionadas com:

No que respeita à área da engenharia civil constata-se que relativamente à classificação de 2020  a Universidade do Minho saltou do 5º lugar em 2020 para o 3º lugar em 2021. A Universidade de Lisboa subiu uma posição, a Universidade de Coimbra piorou a sua classificação, baixando para o terceiro lugar nacional e as Universidades do Porto, Nova e Aveiro mantiveram a mesma posição de 2020. 

1 (1)......Universidade Politécnica de Madrid.
2 (3)......Universidade de Lisboa
3 (5)......Universidade do Minho
4 (2)......Universidade Politécnica da Catalunha
5 (4)......Universidade de Coimbra
6 (6)......Universidade Nova de Lisboa
7 (7)......Universidade do Porto
8 (8) .....Universidade Politécnica de Valência
9 (9) .....Universidade da Corunha 
10 (10)..Universidade de Aveiro

PS - Uma pesquisa sobre as 54 áreas abrangidas pelo ranking Shanghai mostra que a área da engenharia civil é a única área científica em Portugal que ocupa a maioria dos lugares do Top 10 Ibérico. 

quarta-feira, 26 de maio de 2021

Catedrático jubilado da Universidade de Lisboa quer uma Lei do Pontapé agravada



O catedrático jubilado Jorge Miranda da Universidade de Lisboa, que alguns apelidam de pai da Constituição, acaba de publicar um livro sobre a necessidade de melhoria da mesma. Vide artigo no jornal Público no link acima. Entre as várias propostas que lá faz há uma particularmente interessante "Em matéria de incompatibilidades, é proposto que nenhum titular de cargo político “pode exercê-lo por mais de dez anos consecutivos" que é uma proposta ainda mais restritiva do que aquela que eu fiz em  Janeiro de 2019, que então designei como a Lei do Pontapé. Vide texto no final do post https://pacheco-torgal.blogspot.com/2019/11/a-sonsa-censora-que-anda-ha-mais-de-20.html


segunda-feira, 24 de maio de 2021

New study suggest that prestigious European grants might be biased



See in the link above the recent article on Nature. The study that analyzed a single year of ERC grants with 3,207 applicants can be found in the link below:
https://www.researchgate.net/publication/344461606_Do_interests_affect_grant_application_success_The_role_of_organizational_proximity
 
However, possible biased assessment is not the only problem with millionaire ERC grants. See the paper Talent vs Luck: the role of randomness in success and failure” In which is possible to read something that contradicts the rationale of the ERC millionaire grants:
“if the goal is to reward the most talented persons (thus increasing their level of success), it is much more convenient to distribute periodically (even small) equal amounts of capital to all individuals rather than to give a greater capital only to a small percentage of them, selected through their level of success - already reached - at the moment of the distribution” https://arxiv.org/abs/1802.07068

So far millionaire ERC grants have funded over 12.000 projects from more than 10.000 scientists, but i wonder if ERC grants had been reduced to 1 million euro each being able to fund around 25.000 research projects would the overall output have been worse ? 

 


domingo, 23 de maio de 2021

Ranking de investigadores Portugueses: Percentagem de publicações altamente citadas

 


Na sequência do post acima e da métrica mencionada no final do mesmo, que coloca o Técnico abaixo de várias instituições, Portuguesas, Gregas e até do Chipre, disponibiliza-se na tabela abaixo um ranking de dezenas de investigadores de várias áreas, elaborado a partir da referida métrica (percentagem de publicações com pelo menos 150 citações na base Scopus), onde se pode constatar que se é verdade que há três ilustres cientistas Portugueses (Reis e Sousa, Manuel Damásio e Bastos Araújo) com uma percentagem de publicações altamente citadas, superior inclusive à percentagem de alguns conhecidos vencedores do prémio Nobel, há porém e muito infelizmente também o oposto, isto é, muitos catedráticos com baixas percentagens e até algumas dezenas (30) mesmo com percentagens nulas, e se a análise tivesse abrangido toda Academia Portuguesa descobriria por certo não dezenas mas algumas centenas de catedráticos com percentagens nulas, que ajudam a perceber porque é que a ciência Portuguesa tem um impacto inferior ao da Grécia. https://pacheco-torgal.blogspot.com/2019/11/carlos-fiolhaisa-fraca-qualidade-da.html

E será que faz algum sentido que o nosso país pague rigorosamente o mesmo, tanto a catedráticos altamente citados, como por exemplo o Miguel Seabra ou o Nuno Peres, como a um catedrático cuja obra científica se resume a publicações absolutamente irrelevantes (sem impacto digno desse nome), como sucede por exemplo com o famoso catedrático Braga de Macedo, que ocupa o último lugar da lista abaixo ?

E será que faz algum sentido que Portugal pague um vencimento de catedrático a quem só consegue produzir publicações irrelevantes ao mesmo tempo que paga zero, a jovens talentosos investigadores que são forçados a ir trabalhar para outro país?

PS - A esmagadora maioria dos investigadores da lista abaixo, mais de 95% são catedráticos, os raros que lá aparecem que o não são integram a lista de Scopus Highly Cited Scientist (Ranking Stanford). Existe apenas uma única excepção de alguém que não reune nenhuma dessas duas condições, Zita Martins, mas a quem um Presidente da República, Cavaco Silva, atribuiu uma precoce condecoração por elevado mérito científico! 



sábado, 22 de maio de 2021

A propaganda do Presidente do Técnico


Hoje num destacável do semanário Nascer do Sol, cuja capa e as primeiras páginas são preenchidas pela fotografia e por uma entrevista ao Presidente do Técnico, logo seguida de um texto com o nada modesto título de "A investigação do Técnico-Das mais competitivas do país" milhares de Portugueses puderam ler que "mais de 70% das publicações científicas do Técnico...são publicadas em revistas que estão entre as 10% de maior reputação a nível internacional"

Que pena é porém que ainda haja na Academia (e logo o Presidente de uma conhecida e reputada instituição) quem confunda o local de publicação com a qualidade e a inovação daquilo que lá é publicado, pelo que faz todo o sentido perguntar, que interessa a Portugal que o Técnico tenha publicações nas revistas alegadamente de "maior reputação" se afinal muitas dessas publicações receberam muito poucas citações ? Afinal o que vale mais ? Um artigo que foi publicado nas revistas de "maior reputação" que recebeu 50 citações ou um artigo que não foi publicado nas tais revistas de "maior reputação" mas que recebeu 1000 citações ? 

Ou talvez o Presidente do Técnico não saiba (!), que como mostrou em 2019 um investigador Dinamarquês, os artigos mais importantes na área da Física foram publicados em maior número, não nas revistas com maior Impact Factor, como a Nature ou a Science mas em revistas com um Impact Factor muito inferior ao daquelas  https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/01/the-journal-that-has-low-impact-factor.html

A este respeito note-se que uma pesquisa da base Scopus mostra que os investigadores do Técnico publicaram 54 artigos em revistas da Nature (Nature, Nature Phsycs, Nature Materials, Nature Microbiology, Nature Astronomy, Nature Biomedical Engineering, Nature Communications) porém a maioria desses artigos (60%) nem sequer receberam 50 citações e até há vários desses artigos que não receberam sequer a desgraçada miséria de 10 citações. Já sobre os artigos do Técnico publicados na conhecida revista Science, 50% desses não receberam sequer 50 citações. E note-se que nos valores acima não foi sequer descontada a inflação por conta de auto-citações (rubrica onde o Técnico tem um desempenho recorde) pelo que o panorama real após esse desconto será ainda mais desolador. 

Uma forma interessante de aferir o impacto das publicações do Técnico, face a outras instituições é avaliar a percentagem de publicações com um número substancial de citações. Uma pesquisa na Scopus revela que apenas 1.2% das publicações do Técnico receberam pelo menos 150 citações, percentagem essa que é ligeiramente superior à da UALG (1.1%) mas que é inferior à percentagem das Universidades do Porto, de Aveiro, da UNova e até da Universidade do Minho. E se a comparação for feita a nível internacional, relativamente a universidades de países tão pobres como nós a coisa não melhora, pois uma comparacão com universidades da Grécia, mostra que a Universidade Técnica de Atenas e a Universidade de Tessalónica apresentam ambas uma percentagem superior à do Técnico. E até mesmo a Universidade do Chipre tem maior percentagem do que o Técnico. 

Adverse effects on the economy if the wrong ‘types’ of entrepreneurs are being stimulated

 


Still following the post above about the fact that Germans are averse to self-employment see the recent paper below entitled "How do country R&D change the allocation of self-employment across different types?" 

“…encouraging entrepreneurship is often seen by policymakers as a route to combat unemployment and stimulating economic development…However, if the wrong ‘types’ of entrepreneurs are being stimulated, this may lead to adverse effects on the economy...our results imply that higher R&D expenditures increase the quality of a country’s self-employment population. https://link.springer.com/article/10.1007/s11187-019-00196-z#Sec18

PS - Still speaking on self-employment the PeoplePerHour platform has seen a 63% rise in freelance registrations since the beginning of the Covid-19 pandemic. This platform claims to have 3 million rated freelancers. 


quinta-feira, 20 de maio de 2021

A aldrabice que é o Direito Português e o milionário maçom que jura que nada deve



Afinal as revelações sobre a vigarice que é o Direito Português não terminaram nos posts acima pois hoje mesmo duas eminentes figuras, o Procurador Jubilado Euclides Dâmaso e o juiz Conselheiro Jubilado José Santos Cabral, escolheram a revista Sábado explicar que  é possível que alguém possa cortar o pescoço à sua mulher e depois possa impugnar a sua condenação (como sucedeu num caso ocorrido na zona de Castelo Branco) por causa de uma oportuna pérola jurídica e foi essa mesma pérola (AUJ) também serviu para que o juiz Ivo Rosa tenha na instrução do processo Marquês mandado denegar a pronúncia de vários crimes de branqueamento de capitais. 

Os referidos Jubilados dizem que a justiça está capturada por "um regime de nulidades draconiano". Ou dito em linguagem mais simples, quem tiver advogados espertalhaços dificilmente não impugna um processo por conta de uma qualquer das inúmeras nulidades que infestam o código penal. E claro está, que quem se fartou de roubar e pode pagar aos melhores advogados deste país muito mais facilmente consegue anular uma condenação.  

Aquele famoso maçom sem património que fugiu para o Brasil, foto acima, onde leva uma vida só possível para quem tem um património milionário, deixou em Portugal um calote de largas centenas de milhões de euros, porém ouvido hoje virtualmente pelos Deputados da Assembleia da República mandou dizer que não deve rigorosamente nada e também que não admite que digam que deve seja o que for https://www.sabado.pt/dinheiro/detalhe/siga-ao-minuto-a-audicao-do-devedor-nuno-vasconcellos E o mais espantoso é que ele não está a mentir, porque quem deve tem de pagar, exactamente como o Sr. Madoff pagou com uma estadia na prisão até ao fim dos seus dias (se estivesse em Portugal ainda nem sequer tinha sido condenado), e como quem vai pagar a divida do maçom Nuno Vaconcelos não é ele mas sim os contribuintes Portugueses então mais não resta do que concluir que eles são os verdadeiros devedores. E devem de facto, devem muito à burrice por conta de nos ultimos 47 anos terem eleito politicos canalhas que sem qualquer vergonha aprovaram leis infames que protegem vigaristas e corruptos.  

Na mesma revista Sábado hoje publicada o Subdirector Carlos Lima, comenta a impunidade dos calotes do colarinho branco e compara-os ao caso de uma pobre desgraçada que ganhava o salário minimo e a quem penhoraram e venderam a sua própria casa, por conta de uma divida de 3500 euros. O que mostra que os mesmos canalhas que aprovaram leis para proteger vigaristas e corruptos (por certo a pensarem em safar-se a eles próprios e aos seus amigos quando no futuro forem apanhados e julgados) foram também os mesmos que aprovaram leis para que os tribunais persigam de forma implacável e extraordinariamente célere casos como o da tal pobre desgraçada. 

quarta-feira, 19 de maio de 2021

The anti-billionnaire Publishers Revolution is gaining traction



Still following the post above published last month see the preprint that was put online this month authored by four senior scientists:
"...We scientists do the actual research, also provide mostly free services by reviewing the papers for such journals and these publishing houses make enormous profits out of nothing really. They use the scientists and we let them use us! This is totally absurd and it has to stop!https://arxiv.org/pdf/2104.01794.pdf


terça-feira, 18 de maio de 2021

Catedráticos estéreis, catedráticos negacionistas e catedráticos que cometeram crimes



Na sequência dos posts acima seguem abaixo os links de dez catedráticos (uma pequena amostra de uma realidade muito vasta) cuja "obra científica" nunca recebeu uma única citação dos investigadores de 
Stanford, do MIT ou de Harvard. A penúltima da lista é a catedrática negacionista.
E isto ao mesmo tempo que há jovens investigadores de obra científica com impacto muito superior, que são literalmente obrigados a ir trabalhar para o estrangeiro, como foi recentemente o caso mediatizado pelo jornal Público, da Inês Trindade, cujas publicações curiosamente até já foram citadas por investigadores de Harvard https://pacheco-torgal.blogspot.com/2021/03/quando-estar-desempregado-e-uma-medalha.html

E porque será que nos últimos 50 anos foram afastados largas dezenas de juizes da magistratura (só nos últimos 15 anos foram afastados três dezenas de juizes em resultado de quase 500 processos disciplinares) e não há noticia do afastamento de um único catedrático das universidades públicas por incompetência, nem sequer mesmo por conta de terem cometido crimes no exercicio de funções ? 

É verdade que o catedrático mencionado na noticia abaixo, Francisco Sobral da Universidade de Coimbra, foi condenado a uma pena de prisão por crimes de abuso de poder e de falsificação de documentos porém já estava aposentado à data da sentença do tribunalhttps://www.publico.pt/2007/12/18/jornal/professores-da-uc-condenados-por-falsificacao-de-documentos-241979 Já outro catedrático da mesma Universidade, António Rocha Gonçalves, foi também condenado por um crime de abuso de poder, mas isso não levou à sua expulsão da universidade https://www.rtp.pt/noticias/pais/tc-confirma-condenacao-de-docente-da-universidade-de-coimbra-por-abuso-de-poder_n3256 

PS - Em universidades de países muito mais desenvolvidos do que o nosso despedem catedráticos por conta de assédio moral a alunos de doutoramento, como sucedeu por exemplo numa Universidade Suiça e também numa universidade da Austrália, nesses países seria impensável que um catedrático tivesse cometido crimes de abuso de poder ou crimes de falsificação de documentos, e não fosse inapelavelmente despedido. A impunidade malsã das cátedras públicas Portuguesas (que não encontra paralelo nem sequer mesmo na magistratura) é típica de universidades de países do terceiro mundo e confirma que em pleno século XXI as universidades públicas deste país estão capturadas por interesses escusos. 

segunda-feira, 17 de maio de 2021

O futuro dos pobres espertos (e com poucos escrúpulos) afigura-se altamente rentável




O Público noticiou recentemente dois ataques de terrorismo informático, respectivamente contra o maior oleoduto Norte-Americano e contra o sistema de saúde da Irlanda. Vide links acima. No primeiro caso, e muito embora o jornal Público não faça referência a isso, a verdade é que a empresa responsável pelo oleoduto pagou 5 milhões aos piratas informáticos e quem o afirma é o New York Times  https://www.nytimes.com/2021/05/13/technology/colonial-pipeline-ransom.html  o que mostra que o terrorismo informático é monetariamente bastante compensador, o que por sua vez explica o seu rápido crescimento, como dão conta relatórios do FBI e da Interpol  http://www.americanscholarspress.us/journals/IMR/pdf/IMR-1-2021/V17n121-art1.pdf

De acordo com uma reportagem do passado mês de Abril do Shepard Smith da CNBC, só no ano passado estima-se que o terrorismo informático tenha facturado 370 milhões de dólares  

Tendo em conta que como foi referido no livro mencionado no post abaixo, existem milhões de jovens no Planeta, que vivem em condições miseráveis, e que podem ser fácilmente convencidos a optar pelo terrorismo https://pacheco-torgal.blogspot.com/2019/09/2019-paper-by-german-researchersincome.html também facilmente se percebe que o terrorismo informático, contra empresas e instituições em países ricos, se pode tornar para esses jovens numa muito rentável forma de vida, com a vantagem adicional desse terrorismo informático até poder ser encarado como uma forma de retaliação, contra a forma criminosa como os países ricos andaram a açambarcar vacinas Covid, pouco se importando com as consequências desse açambarcamento no agravamento da miséria dos países pobres. 

A diferença de desempenho entre os Reitores da UAveiro e da ULisboa

 https://pacheco-torgal.blogspot.com/2021/05/utilizando-as-citacoes-de-stanford-mit.html

Ainda na sequência dos valores no post acima e também dos comentários feitos no post, 
é interessante constatar, na figura abaixo, que quando se analisam outros investigadores, como por exemplo os Reitores da UAveiro e da ULisboa, ambos de engenharia electrotécnica, que o primeiro apresenta em termos de percentagem de citações recebidas em publicações saídas das Universidades de Stanford, do MIT ou de Harvard, um valor que é 12 vezes superior à percentagem do segundo. 

Seja como for e apesar dessa baixa percentagem ainda assim é bastante positivo que o Reitor da Universidade de Lisboa tenha sido citado por investigadores das três campeãs americanas da inovação mundial, já que isso não sucede com muitos catedráticos, de obra científica com impacto irrelevante ou mesmo nulo, que só chegaram à cátedra por conta de ligações familiares e amizades politicas ou maçónicas e os quais tem muitas culpas no cartório, por conta da ciência Portuguesa ter menos impacto do que a ciência produzida na Grécia, e isso apesar daquele país até gastar menos dinheiro em investigação do que Portugal. 


domingo, 16 de maio de 2021

Using Stanford-MIT-Harvard citations as a low cost proxy for innovative research

Since Stanford-MIT-Harvard has been on the top of Clarivate world´s most innovative universities for several years in a row then using the citations in the publications affiliated with those three American sisters could be used as a low cost proxy for innovation in research assessment. In fact i never understood why both Web of Science and Scopus databases never worried to create an index for high-quality citations regarding publications that was cited by scientists in top universities just because not all the citations have the same value, is not the same as having a publication cited by a PhD student in a university in a poor country or cited by a Professor at Stanford, MIT or Harvard. 
 
Assessing innovation by using Stanford-MIT-Harvard citations is especially important for universities in countries that cannot afford to spend millions to carry out a traditional research assessment paying top experts from universities in rich countries. Let´s not forget that even rich countries complain that traditional research assessments have a very high-cost UK paid 350 million dollars for its 2014 REF meaning that if China and India used a similar research assessment it would have a total cost of more than 14000 million dollars. Too much money that could be put to much better use hiring scientists and funding important research issues.  
 
PS - The only index that comes near that citation "elite" is the K-index suggested in 2018 and published in the Elsevier journal Physica A: Statistical Mechanics and its Applications https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0378437117308075

sábado, 15 de maio de 2021

Utilizando as citações de Stanford-MIT-Harvard para avaliar investigadores Portugueses

 

Tendo em conta que Stanford-MIT-Harvard lideram há vários anos o ranking das universidades mais inovadoras do Planeta https://www.prnewswire.com/news-releases/stanford-mit-and-harvard-top-the-fifth-annual-reuters-top-100-ranking-of-the-most-innovative-universities-300943569.html então as publicações citadas pelos investigadores daquelas universidades constituem sem qualquer dúvida um indicador de inovação cientifica. 

Nesse contexto faz todo o sentido avaliar qual a percentagem de citações (Scopus) recebidas de investigadores daquelas três instituições face à percentagem total para os investigadores Portugueses que foram mencionados no post https://pacheco-torgal.blogspot.com/2021/04/os-eminentes-cientistas-que-constam-na.html e cujo resultado pode ver-se na imagem que inicia este post. 

E porque será que na última avaliação das unidades de investigação ninguém cuidou de saber qual seria a percentagem acima referida para as diferentes unidades, para assim se saber quais foram aquelas cujas publicações são citadas de forma regular por investigadores das três mais inovadoras universidades a nível mundial e quais foram as unidades cujas publicações nunca foram citadas por investigadores de Stanford, do MIT ou de Harvard? 

Será que a razão se prende com o facto de haver quem odeie indicadores bibliométricos porque colocam à vista de todos factualidades que alguns preferem manter escondidas ?



Na cidade dos fenómenos violar a lei é considerado currículo de mérito

https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/10/baixeza-de-caracter.html

A tal cidade dos fenómenos mencionada no post acima continua a surpreender o país. O instituto Politécnico de Castelo Branco, que tem sede naquela cidade acaba de escolher as tais eminentes personalidades de reconhecido mérito para integrar o Conselho Geral do referido Instituto e entre elas está nem mais nem menos do que o ex-Presidente da Câmara Luís Correia (foto acima enquanto protagonista do programa da Sandra Felgueiras) que perdeu o mandato em 2020, por ter violado a lei que proíbe a celebração de contratos públicos entre um município e empresas de familiares diretos do Presidente desse municipio  https://www.reconquista.pt/articles/ipcb-conselho-geral-elege-membros-externos 

Contudo também pode suceder que ele tenha sido escolhido por ser um génio da gestão, sabendo como ninguém fazer excelentes negócios com lucros superiores a 500% e que só por uma grande injustiça ainda não recebeu um doutoramento honoris causa https://www.publico.pt/2020/11/18/politica/noticia/exautarca-deputada-lucraram-525-terreno-subestacao-ren-1939586 

PS - Quem também há muito merece um doutoramento honoris causa é a mulher do conselheiro mencionado acima, outra génia da gestão (e deputada) que pagou mil euros de multa por conta de falsas declarações que lhe permitiram receber duzentos mil euros de subsídios.   https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/09/um-marco-de-cobardia-institucional-e-de.html

quinta-feira, 13 de maio de 2021

Mapa mundial da excelência científica: ULisboa abaixo das Universidades de Aveiro, Minho, Nova e Coimbra



Como é que se pode entender que uma Universidade que recebe tanto dinheiro da FCT (a ULisboa tem 27 unidades de investigação cada uma com um orçamento superior a 1.5 milhões de euros) apresenta um desempenho inferior ao das referidas quatro universidades ?

Entre as unidades de investigação da Universidade de Lisboa que recebem bastante dinheiro, há uma grande unidade, com um orçamento anual superior a 2 milhões de euros, sobre a qual os avaliadores internacionais disseram que possui um elevado número de investigadores que produzem muito pouco e que tem uma liderança estática:
“large number of underperforming researchers....no plan to encourage greater productivity...The leadership structure of the Institute seems to have been static…" 

É evidente que enquanto a FCT andar a dar milhões a grandes unidades com uma liderança estática e que produzem pouco dificilmente Portugal conseguirá ultrapassar a Grécia ou o Chipre https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/11/stanford-universityupdated-ranking-of_7.html

PS - O plano de recuperação e resiliência de Portugal foi elaborado, em grande parte, pelo amigo do nosso Primeiro-Ministro, um Engenheiro de Minas, cuja especialidade são os poços de petróleo (não admirando por isso que no nosso plano a exploração de minas apareça mencionada dezenas de vezes) já o plano da Grécia esse foi elaborado por um Nobel da Economia. Nem sequer os politicos Gregos se atreveram ao terceiro mundismo de chamar um amigo do Primeiro-Ministro Grego para fazer um plano para gastar dezenas de milhares de milhões de euros. Isto é ao mesmo tempo uma comédia e uma tragédia ! 



Uma frase inspiradora e uma informação fundamental que os restaurantes devem ser obrigados a prestar


No rescaldo da vergonhosa audição da Assembleia da República aos grandes devedores do Novo Banco que atingiu o ponto alto, com a audição de um individuo de apelido Moniz da Maia, que recebeu de Ricardo Salgado centenas de milhões de euros, que entre outras miudezas lhe serviram para adquir um avião e um iate de luxo (que serão pagos com o dinheiro dos contribuintes), é reconfortante ler no último número da revista The Economist, num relatório especial dedicado ao futuro do repugnante negócio que é a banca (Prof. Kenneth Galbraith dixit), uma frase bastante reconfortante e até inspiradora:
 
"it is possible to see a future in which banks play a smaller role, or even none at all"
https://www.economist.com/special-report/2021-05-08
 
E tenho a certeza que não serei o único a achar a frase inspiradora, pois que há muitos neste país que ainda antes de se terem iniciado as audições aos grandes devedores do Novo Banco, já estavam fartos da banca, por conta de há muito tempo andarem a ser assaltados pela mesma https://pacheco-torgal.blogspot.com/2019/09/tres-vezes-sera-roubado-pelo-seu-banco.html
 
PS - Sobre a banca parece-me pertinente repetir a pergunta que coloquei no final de um post anterior de Julho de 2020. 
Não deveriam os restaurantes ser obrigados a informar os clientes, sempre que um Administradir bancário esteja a almoçar ou jantar no seu estabelecimento,  para que esses clientes possam decidir se querem ou não refeiçoar perto de tão repugnante presença?


quarta-feira, 12 de maio de 2021

A new scientific excellence mapping tool


https://arxiv.org/ftp/arxiv/papers/2103/2103.10225.pdf

The first author of the preprint in the link above is the German Lutz Bornmann, the last recipient of the Solla prize, which is  awarded to scientists with outstanding contributions to the fields of quantitative studies of science.

The mapping tool is available at http://www.excellencemapping.net/


Engenheiros incógnitos: Um tiro no pé da engenharia ?



O objectivo deste post não é comentar a polémica relativa aquela ponte pedonal, Arouca 516, projectada pelo  ITeCons e recentemente aberta ao público, se é ou não a maior do mundo, quando comparada com uma outra ponte que existe no Nepal, mas sim para exprimir a minha estranheza pelo facto dos orgãos de comunicação não fazerem qualquer menção ao nome dos Engenheiros autores do projecto da referida ponte ? 

Faz sentido que uma ponte que até já ganhou um prémio seja filha de Engenheiros Incógnitos ? Ou será que a desculpa é que eles não fizeram mais do que as suas obrigações e portanto não precisam de exposição mediática, ao contrário do que sucede com os artistas, da bola e de outras artes, como foi referido pelo António Barreto https://pacheco-torgal.blogspot.com/2020/11/a-desvalorizacao-da-ciencia-e-da.html Mas se a ponte se tornou publicamente famosa porque é que os seus autores não são publicamente beneficiários dessa mesma fama ? 

E não será evidente que esse anonimato é de certa forma danoso, pelo menos para a engenharia civil, pois não contribui para ajudar esse curso a recuperar o prestigio que perdeu para outros cursos há poucos anos, quando os títulos na imprensa até chegaram ao ponto de questionar a extinção do curso de engenharia civil  ainda para mais quando esse curso já recuperou em número de alunos em várias universidades e até em alguns Politécnicos mas ainda está longe de recuperar na Universidade de Coimbra, logo aquela universidade a que está ligado o citado ITeCons?

Noutros países até se pode entender que haja engenheiros incógnitos, para que dessa forma o público não saiba quem fez um mau serviço, ao projectar pontes pedonais como aquela que se ficou a saber esta semana, não conseguiu resistir à acção do vento https://www.theguardian.com/world/2021/may/10/china-tourist-bridge-glass-panels-smash-longjing-city



terça-feira, 11 de maio de 2021

Esburacar Parques Naturais para encher o bolso de alguns

 


Ainda na sequência do post acima é pertinente referir que a SECIL, aquela empresa de cimento que anda a esburacar o Parque Natural da Serra da Arrábida, pretende ampliar a área a esburacar. https://www.publico.pt/2020/09/23/local/noticia/secil-estuda-ampliacao-pedreira-parque-natural-arrabida-1932631

Será que na Suiça, o país do Sr. Otmar Hübscher, diplomado em finanças e Presidente da Comissão Executiva da SECIL (que antes de chegar a Portugal andou a esburacar pelo Brasil, Argentina, Chile e Equador), também andam a esburacar os seus Parques Naturais para produzir cimento Portland ?

Irónico é saber que nem sequer 75.000 kms quadrados do Parque Nacional da Peneda-Gerês estão a salvo da fúria esburacadora, e contudo toda a riqueza gerada por todas as explorações mineiras foi inferior ao valor dos imensos prejuízos provocados pelas sanguessugas dos cartéis (20.000 milhões de euros) que se somam aos outros 20.000 milhões de euros que a banca fez desaparecer, significando isso que mesmo que este país nunca tivesse tido uma indústria mineira e agora não tivessemos nenhum Parque Nacional esburacado, ainda assim continuariamos com bastante lucro se a Autoridade para a Concorrência tivesse sido criada há 47 anos atrás e se tivessemos tido um Banco de Portugal que não se tivesse limitado a assistir de camarote às vigarices protagonizadas pelos sacaninhas dos Srs. banqueiros. 

Não é aliás por acaso que países com muitos recursos naturais continuam a ser pobres (maldição dos recursos naturais, resource curse), porque por mais que esburaquem e por mais recursos naturais que consigam vender, o dinheiro que conseguem por essa via é sempre muito inferior aquilo que é roubado. Moral da história, muito mais importante do que ter muitos recursos naturais é conseguir que a roubalheira não reine com total impunidade.